top of page

#12 E agora Personal? Voltar ou não para as Academias | Com Prof. Saulo Soares

Atualizado: 29 de abr. de 2021


Leonardo Farah

Boa noite! Sejam bem-vindos ao Empreendedor! Antes de mais nada escreva no nosso grupo de Telegram Personal Empreendedor, é gratuito que a gente coloca algumas dicas de empreendedorismo, também se inscreva aqui no canal. E hoje temos um convidado especial, é o professor Doutor Paulo Soares, seja muito bem-vindo, Professor!


Paulo Soares

Olá, a todos! Boa noite muito obrigado pelo convite! Obrigado pelo seu Leonardo para o seu Antônio, para o seu Fausto!


Prof. Doutor Fausto Soares

Fico muito lisonjeado de bater esse papo com vocês. Boa noite a todos seus ouvintes, os seus seguidores e vão deixar que eu puder contribuir aí era muito feliz.


Leonardo Farah

Eu vou dar início aqui a complementar o professor Antônio e o professor Fausto, colocar uma reflexão da semana, a gente tá começando agora, com, a partir de hoje com a ideia do professor Fausto, né, então essa frase da semana, do Bill Gates, é “o segredo do sucesso nos negócios está em perceber para onde vai o mundo e chegar lá primeiro”, e é com essa reflexão que eu chamo Professor Fausto. Boa noite Professor Fausto!


Prof. Doutor Fausto Soares

Boa noite pessoal! Boa noite a todos estamos aí colaborando discutindo temas de extrema relevância né, e o tema de hoje eu acho que vai pegar fogo aí perante a comunidade de educação física né, mas e os Personais, devem ou não devem voltar para as academias, mas aí vamos estar conversando. Vamos ver o que vai dar isso.




Leonardo Farah

Boa noite Professor Antônio! E aí?


Professor Antônio

Boa noite, tudo bem? Então na minha humilde opinião está certo esse tempo pandêmico melhorou em muito atuação do personal fora das academias, mas eu vou deixar o Dr Saulo dar a introdução, tá certo? Obrigado mais uma vez pelo convite e vamos que vamos


Professor Saulo Soares

Boa noite, pessoal! Eu acho que é um tema nunca antes é... tão comentado nas redes sociais é só fazer uma retrospectiva de como o Personal Trainer, que é profissional de educação física, que é professor, e que é educador físico, tem essas três nomenclaturas nós somos chamados por vez dessas três nomenclaturas vizinhas, né. E isso confunde a cabeça das pessoas, porque é um problema de identificação também do profissional de educação física, e eu quero aproveitar hoje é hoje, é dia 6 do 8 é dia do profissional de educação, então se nós fomos chamados de professores de algum modo, é porque nós temos um papel importante na educação, seja o profissional de educação física trabalhando dentro das escolas, dentro das universidades dando seu personal trainer, ele educa para saúde, ele educa para a qualidade de vida, através do exercício, da então parabenizar aqui todos os profissionais de educação física que atuam de alguma forma ou de outra como educador né, como educador físico, como professor, gosto mais da nomenclatura de professor. Pois é... professor Antônio, Professor Leonardo, eu sou Fausto, e é um tema muito polêmico, eu acho assim, muito pertinente, porque tem implicações que vão reverberar, com certeza, na universidade, tudo que a gente conversar aqui vai reverberar no currículo das dentro das Universidades, o que vai se falar agora, neste pós pandemia é, como esse profissional que seja licenciado, seria bacharelado, ou seja licenciado pleno, discutindo se volta o currículo para licenciatura plena, como é que ele pode atuar, né, nesse contexto agora desse novo normal? Então, vai reverberar nas Universidades, e as coisas daqui para frente, desse ponto pra frente, as universidades terão de pensar nesse novo contexto nesse novo conceito de levar a atividade física, de levar o exercício físico, vai reverberar sim, com certeza.



Prof. Doutor Fausto Soares


O que também valeria a pena é conversar sobre a sua sobre a sua atuação, não vou fazer aqui umas breves palavras, mas eu acho que eu gostaria de você complementar. Para quem não conhece, o professor Saulo, é um professor Doutor, um pesquisador também, nós trabalhamos junto ali na Maria Arte, na 215 Sul, para quem não conhece também, ali eu dei essa metodologia do professor Doutor, Paulo Gentil. E, aí, sim, eu chamo atenção, você pode me corrigir se eu tiver é.… você tem ali, uma paixão pela tua atuação como personal, na prática, vamos dizer assim, então, é praticamente uma atuação híbrida, junto à pesquisa, junto à ciência, mas também junto ao mercado, né? É um perfil que, dificilmente a gente consegue enxergar, ou o pessoal está no mercado, ou o pessoal está na academia. Academia científica, né? E aí você tem essa, atuação interessante. Em algum momento, não sei se é o seu caso, eu vou colocar aqui de alguma forma mais ampla, né, eu já vi casos similares a ter certo preconceito neste sentido, porque o pessoal acredita que apenas o mundo acadêmico, ou da pesquisa, ou do científico, seria o melhor dos log less, e aquele profissional que não está dentro de um centro, de um laboratório de pesquisa, é como se ele fosse um profissional de segunda, né? Eu vejo isso com bastante preocupação, antes de nós avançarmos no tema do personal na academia, porque eu estou vendo mudanças também nisso, porque eu acredito que, nessa realidade do avanço da pandemia, o avanço do ensino EAD, deve acontecer, eu estava prevendo isso para 2021, mas eu acho que já começa a acontecer agora em 2020. As faculdades e universidades onde emprega a maior parte dos nossos mestrandos e professores doutores têm um enxugamento dos seus quadros de profissionais. E, com isso, eu estou vendo que, com essas portas para esses profissionais, fechando essas portas do mundo acadêmico, talvez tendam a vir também para o mercado do Fitness, também para o mercado do personal, né? Então, acho que valeria a pena você expor um pouquinho sobre sua carreira e ver sobre isso que eu falei, se procede, se você é esse híbrido mesmo que está na ciência e está no personal, gosta de atuar como profissional trainer, fala um pouquinho sobre isso aí, Saulo.


Professor Saulo Soares

Bom, bacana você fez aí é uma síntese né, isso trabalhamos juntos aí, por um bom tempo, né lá na Maria, você fez uma síntese poucas palavras foi... pois bem, eu não vou retroceder um pouquinho lá atrás e aí eu passo na minha fala eu vou fazer um retrocesso da toda minha na

minha carreira como professor gosto eu gosto de desse nome Professor tá, eu sempre fui eu sou cara quem é o Saulo, Soares né quem é o professor Saulo Soares? Então o que eu falo vai traz uma bagagem das minhas escolhas é o que é que o que é que eu escolhi ao longo de

tantos anos então vamos colocar aí entre a graduação e o término do meu doutorado

que foi 2018 aqui na Universidade de Brasília UnB não foram aí mais de 15 aí mais de 15 anos estudando né, vão mais de 15 anos estudando aí, eu falo isso com certo orgulho até porque eu saí da graduação na eu entrei na graduação com muita dúvida sobre a educação física. Eu entrei com muita dúvida, eu entrei na verdade, naquela época, difícil foi o vestibular de 2002 né, Eu entrei naquela época da Educação Física gostar de fazer exercício, eu gostava de malhar, eu gostava de jogar futebol, saindo futebol e basquete, no Colégio para o vôlei e para o time de polo aquático, com esse cara não era esse sujeito até que quando chegou o ensino médio um colega meu falou bem assim para mim “ Saulo por que não faz educação física? Esse era o parceiro que me acompanhava em todos esses todos os esportes um grande amigo é o Tiago e que a minha mãe de um lado ela ficava buzinando aqui no meu ouvido ela é advogada ela fala “não meu filho você vai fazer direito”, né porque a área que tem mais em concurso , na área da oportunidade é área e ela não tá errada, é isso é isso é fato isso é, ainda mais que o direito de uma bagagem cultural no Brasil né, é histórica, cara que é bacharel de advogado, é chamado de Doutor, Drzinho ali. E meu pai é engenheiro, engenheiro mecânico, trabalhou a vida inteira trabalha na Petrobras e pode ficar no outro lado bom eu confesso para vocês que eu não escolhi educação física, a educação física que me escolheu, tá, ao marcar o carnê do curso, naquela época eram três opções possíveis, e aí a primeira opção, eu tenho uma tremedeira, lembra que eu marquei a educação física, e fechei o olho assim, sabe que seja o que Deus quiser. A segunda opção coloquei direito a da minha mãe, e a tereira opção, eu deixei o coitado do meu pai para lá, a terceira opção foi pra agradar não sei quem, porque eu marquei Psicologia, então olha o tamanho da perdição na cabeça confusão mental daquele adolescente, quando tinha 17, 18, anos, atrás, né. E aí por conta entrei no curso de educação física é a primeira aula de anatomia foi paixão à primeira vista eu fiquei maravilhado com a aula de anatomia. Nós estamos falando do ano de 2003, 2002/2003, e, naquela época, eu já fazia academia tal, já gostava de malhar, e o estereótipo do profissional de educação física naquela, é um cara que para libertar de regata e short né, chacoalhando o Whay, daqui os meu brother todos os meus amigos eles iam e eu ia sim, camisa polo de Botão, calça jeans né, tênis, sempre fui para todas as minhas aulas de educação física de camisa polo e calça, não sei porque, não sei porque mais para mim a universidade é um ambiente muito sério, no ambiente muito certo e qual ali, e a resolver o meu futuro profissional claro que, com todo respeito, respeita as pessoas que entram nas universidades não se encontram seus cursos e de fazer é mudar mesmo, buscar felicidade, vai fazer muito, mas eu saí do entrei primeira aula isso aí é mais apaixonado ainda, mais com tudo não me sentindo parado trabalho e aí é a jornada nada de educação física, eu comecei a fazer dupla funcional aquele cara que começou, né, depois da graduação a ADC algumas camadas no mundo acadêmico fiz a primeira pós fisiologia do exercício pela extinta Gama Filho seja segundo após um ano e meio depois aqui na Universidade de Brasília e musculação força depois ainda insatisfeito fui fazer um mestrado depois fui fazer o doutorado, enfim eu investi sempre muito na parte técnica né, ao passo que o mundo acadêmico tomar uma boa parte do meu dia, e o mundo prático também me seduzia do outro lado sempre te visitar ali na sala de musculação, lidando com as pessoas diretamente, trabalhando como personal, tem isso e seduzir muito e foi aí desde então eu consegui confiar tanto parte acadêmica, como a parte prática e quando eu consegui entrar no mestrado e doutorado professor Martin Botaro, aqui da UNB, ele tem essa pegada de fazer estudos muito práticos, muito aplicáveis ao contexto da comunidade, ao contexto da academia, de musculação, ele tem os estudos deles estão nessa vertente a validade ecológica muito alta, então a gente mente, eu e o professor Morato, eu e meu orientador, eu era o responsável laboratório o estudo das variáveis do treinamento de força, velocidade de execução, isso, clube, então eu era esse cara rato de laboratório ao passo que, em outro horário, eu estava aplicando todo esse conhecimento no personal trainer. Mas eu falo uma coisa. Acabou todo esse contexto assim foi uma grande jornada. Eu acho que eu fechei uma jornada na minha vida do mundo acadêmico, não se decidi fazer um pós-doc, nem nada, com escolhas pessoais para mim não nesse momento, mas a pandemia, o isolamento social, pelo menos para mim, deve ter sido para muitos colegas, foi um tapa na cara, porque, a parte técnica, a parte técnica, ela não é tão importante nas redes sociais, ela não é, não comunica um grande público, e isso não foi ensinado desde 2002/2003, campeã da cidade, é preciso criar agora novas habilidades para você se comunicar melhor, um público que tá do outro lado da tela para você gerar conexão, afinal de contas educação física um pouco disso, é conexão. Beleza?


Leonardo Farah


Perfeitamente! Eu, assim como os demais, o Professor Leonardo e o Professor Fausto, é... acho que todo mundo teve um viés do esporte, ou ser ativo fisicamente, no meu caso sempre pratiquei esportes, mas eu entrei na faculdade educação física por causa de empresa, para empresa, ela já comercializado equipamentos para avaliação física avaliação nutricional, e pensei “fazer administração tem nada a ver, né” Administração é livro, estudo, para justamente ser bem técnico também, lá não precisaria ficar investindo período na faculdade, queria fazer filosofia, né, porque sempre gostei de refletir, mas aí eu falaram que iria morrer de fome né, sendo filósofo, o bacharel em filosofia né, aí, eu pensei e falei, vou fazer educação física educação física botei habilidade do conhecimento técnico-científico dos equipamentos, que eu já comercializo, me formei, fiz a especialização também, avaliação física, para exercícios para populações especiais, mas aí eu decidi não era para mim, então passei loja virtual, todo esse processo de empreendedorismo e gestão, e aí comecei a enxergar no futuro o que o desenvolvimento unificação da área biológica do tecido biológico a parte das engenharias, então foi estudar o Mestrado, e foi um mestrado profissional e não foi mestrado Acadêmico, dentro da engenharia biomédica, então eu tô falando, eu enxergava de fora, eu me senti um peixe fora d'água, às vezes, ela indo de bermuda, regata, falar, poxa não tem a sua identidade, você chega olha na academia você não sabe quem é o aluno e quem é o professor, justamente porque não tinha essa identidade, e essa identidade, que você comentou até hoje, melhorou um pouco, mas fica muito complicado, tecla ainda, aí o Professor Fausto, Professor Antônio, que não vai me deixar mentir, é o que é a gente não a gente sabe se comunicar muito bem entre nós entre os nossos pares, Mas a gente não sabe se comunicar com a sociedade , e essa pandemia ela veio para esfregar isso na nossa cara, então não adianta a gente ficar fazendo Live de Treinamento fisiologia disse daquilo isso aí é obrigação tua saber se você tem que saber desenvolver outras habilidades, outras competências, e você falou da Psicologia, Talvez seja consciente te alertando estude o comportamento. O que você pode tudo isso hoje? O que seria uma individual saiu da graduação, formação seja no caso, o bacharel, o próprio licenciatura plena, o que que ele precisaria ir, sempre me pergunto tudo que fisiologia estuda o treinamento biomecânica, e o cara vai parada da gestão! Eu quero saber de você, o que que você orientaria se fosse um conselho?


Professor Saulo Soares


Pô! Excelente pergunta! Excelente pergunta! Você me deu atenção no meu contrapé, porque eu tô pensando em várias maneiras responder isso, se você me perguntar se em 2018. Eu terminei meu doutorado 2018. Tô fazendo um corte aí no tempo né, você me perguntasse em 2018, até meados de 2018, eu falaria: “cara faz, uma escolhe uma área dentro da Educação Física”, o cara saiu licenciado pleno, escolhe uma área de educação física, e faz uma espécie de especialização Lato Sensu, porque as especializações Lato Sensu elas despertam isso vai despertar assim como eu lado acadêmico ou a despertar o cara para atuar profissionalmente de maneira mais qualitativa possível 2018 eu falaria isso, tá, com certeza, aí faz especialização em pleno correr. Inclusive essa pergunta aí. os dois ou três, Estagiários lá da academia Malhart, onde eu trabalhei, eles chegaram falara para “me salvar eu vou fazer direito depois de educação física”. Por que você vai fazer direito? É como se fosse um tapa na minha cara, quando o cara no oitavo semestre falar que vai fazer direito, vou fazer, não sei vocês mas eu escuto assim talvez assim, eu respeito a pessoa, direito não porque tem mais oportunidade, eu ainda essa fala, em pessoas mais jovens coçando dentro da Universidade né, com baixa astral para educação física, com a baixa autoestima baixa, autoestima mesmo, apenas o diploma, entendeu, então para esses que não são apaixonados, não se identificaram com educação física, Ok , vai fazer. Tem muito bombeiro aqui no DF, suspense Brasília Distrito Federal, Mas aqui tem muitos bombeiros, que são formados em educação física, e muitos policiais militares e civis área militar inteira tem muito profissional de educação física, porque a aqui em Brasília respira concurso público, mas ninguém fala da secretaria de educação, para educação física, ninguém fala, nego vai, Nego quer fazer concurso para polícia porque é bem visto aqui, e isso é um problema institucional das Universidades públicas e privadas, essa baixa autoestima, entendeu, você me falando essa pergunta hoje eu falaria para o sujeito, primeiro para o Apaixonado educação física, eu falaria algo muito, muito, parecido com contigo, você falou gestão, eu falei para ele te dar um pouco sobre venda, ele se vender, ele se vender, estando ele levando o currículo para escola particular para dar aula de Educação Física, escola particular, o clube esportivo para academia, para ele poder se vender da melhor maneira possível, para que o ingresso dele dentro do mercado de trabalho seja nos menos traumático, eu falei para ele, o cara estuda vendas, um pouco. Porque nós não estudamos nada de vendas, nada de gestão. Na área de gestão de empresa, não estamos na área de marketing, nós damos nada de empreendedorismo dentro das universidades. Então essa pandemia veio para esfregar isso na nossa cara mesmo, essa necessidade que o profissional de educação física, que o professor, como educador físico, tem carência isso é preocupante, porque é preocupante, como o Fausto mesmo bem sabe, o Fausto tem mais informações do que eu quanto a isso, as máquinas estão vindo aí as novas gerações de máquinas estão vindo para substituir o profissional de educação física.




Leonardo Farah


É.… ensinou que, se não tomar cuidado vai atropelar né, e eu pessoal vai ficar a ver navios né. Aí aproveitando colocar essa conversa o Professor Antônio, que acho que de todos aqui é o que saiu da graduação mais recentemente né, mas já tá terminando aí agora próxima semana, ele vai tá defendendo ao mestrado dele. E aí, professor Antônio, comenta aí, debutou essa semana também no ensino superior né?


Professor Antônio


É apaixonante isso!



Leonardo Farah

Comenta aí, Professor Antônio






Professor Antônio



Então, o Dr Saulo estava comentando sobre como que foi a trajetória dele durante a graduação, mestrado, doutorado, pois bem, no 4 período da minha graduação, Eu tranquei, certo, porque eu queria seguir no esporte com uma forte intimidade com o treinador jamaicano na época, apresentação do Esporte, o treinador falou, que vai ter que trocar novamente, eu disse não, minha carreira é mais importante. E eu voltei para a graduação, voltei no quarto período de educação física, extremamente angustiado, certo, porque isso realmente acontece. Às vezes no meio do curso, quando as pessoas entram muito cedo na graduação né, realmente tem esse impasse de que: que eu vou fazer da minha vida? É uma decisão aos 17 anos que vai percorrer por toda sua vida, e eu realmente passei larga tudo e para a medicina, até que eu tive aula de populações especiais, e descobri que dava para ter um profissional de Educação física trabalhando em hospital, e eu falei com tuas palavras: eu quero ser profissional! Deu um ano de capacitação foi chamado para ser estagiário que são referência na América do Sul aqui, em reabilitação cardíaca, ali foi um divisor de águas para mim né. E até o meu jeito de andar dentro da faculdade para um pouquinho diferente, né, ou o jeito começou hoje era um jeito de ir para faculdade independente da aula de lazer eu tava sim, e o pessoal ela também fala, direito é no outro bloco, Antônio, e a conclusão ele que isso foram dois anos que eu sair do hospital, conversando com médicos com a mesma, mesmo sendo estagiário conversamos com médicos do mesmo jeito que eu conversava com meu colega de sala, e extremamente técnico, e eu sou meio quiseram atrito com meus colegas, acontece, porém entretanto contudo é muito legal porque meio que eletiza a classe, né, você conseguir conversar pau a pau ou com outro profissional de uma área que assim está elitizada né, que terminou o hospital e falou com todas as palavras não falei, um momento que você se formar eu te dou os males causa né o doutorado por causa do seu tratamento isso para mim foi um grande marco na minha vida de carreira acadêmica quanto profissional e educação física. Mas, no último ano de Educação física eu pensei “não basta da educação física”, tá certo. Me matriculei no curso de biológicas, e já pensando na fisioterapia, para fazer ou seja no último da graduação de Educação Física, eu comecei biologia, daí me formei, já me matriculei na pós em fisiologia do exercício clínico, e ao mesmo, tempo que formei me matriculei também na fisioterapia, ou seja, você fazer duas graduações e mais especialização. Três meses depois eu tinha passado no mestrado...


Leonardo Farah


Nossa!


Professor Antônio


Meu! Foram duas a três horas de sono por dia durante um ano e meio. Eu não sei como que eu tô aqui hoje, tá certo, como que eu não enfartei, porque foi uma sobrecarga neural cardiovascular, foi uma sobrecarga em tudo. E a conclusão é que hoje né, eu vejo que a única coisa que não é falada na área da saúde, na área das ciências biológicas, é como se vender, né, nesse último ano de eleição academia, né vulgo supervisor de vendas, e eu tinha que vender pacotes, né, em meio a pandemia eu assumi a gerência academia, eu tinha que vender um pacote de um serviço que não estava acontecendo. Então como que eu vou fazer isso? Meu Deus do céu! Nem na graduação tive, nenhuma especialização eu fiz um monte de cursos, e eu sei fazer meu trabalho, peguei o esquema do que peguei um monte de vírus começar a colocar aula de neurociências gats mentais, e hoje eu consigo vender alguma coisa né, não digo sua melhor vendedor, muito pelo contrário, Na verdade eu sou um zero à esquerda, porém entretanto, contudo, Na minha opinião, qual profissão educação física que está se formando hoje, tem que estudar neurociência aplicada ao marketing, isso é um fato, além de ter a pessoa que vai atender né, Realmente interessante ter um nicho de mercado, é essencial, Mas vamos lá, todo mundo aqui vende exercício físico, todo mundo, né tanto que até um aluno meu aqui, o Daniel Melere. Boa noite, Daniel! Então é interessantíssimo você pensa em um nicho e isso é muito importante, você vai sair, sem especialização, você vai sair se tem mestrado, você vai sair sem doutorado, né, você vai ter que abraçar a primeira coisa que você achar para conseguir colocar para comer lá na mesa, está certo, ir para aí que você tem que aprender a vender o seu serviço, né, como ninguém, beleza? Eu acho que essa é a minha humilde opinião sobre tudo sobre, esse tema essencial hoje,



Professor Saulo Soares


O que é interessante aqui é que, nós três aqui, o Fausto deve concordar também, nós três falamos de uma coisa aqui parece que é essencial. Então, a partir do futuro da educação física é uma reformulação do currículo, que tá dentro das universidades na reformulação. Tem que haver com a pandemia veio para causar isso aí, quem quer ver, porque não se admite mais o profissional, assim que ele não tem, e pandemia, ela vai, pois, isso né, que o cara que não sabe se vender, vendeu, se mostrasse, você falar de mitocôndria, falar de Treinamento esportivo, nós sabemos falar e, nós somos muito competentes nisso é verdade, mas o nosso próprio aluno ele sai daí, que a mitocôndria oxida gordura, quero, entendeu? Essa é a linguagem entendeu? Então nós também vamos comunicar muito bem que nós, mas com público final do nosso serviço, estando nas escolas, estando nas academias, naquele dia no mundo acadêmico nas academias o Personal, a gente tem que saber se comentar com o cara, tem que saber entender a dor do cara. Se descobre qual o problema do sujeito, e aí você consegue resolver problemas, mas vai resolver problemas né. Então essa comunicação com toda minha formação, que ela apareceu, eu tive que buscar, tive que te dar um pouco, sem internet tava dois anos fora das redes sociais, de 2018 até 2020, dois anos fora, eu tenho que te estudar um pouco, eu contratei um cara especialista para mim orientar Eu contratei um coach, fala para me orientar dessa retomada das redes sociais de uma maneira mais profissional. Então que fica é, tem que abrir a reformulação na no currículo que eu vejo. Tem que haver uma reformulação também na forma como o profissional de educação física se posiciona nas redes sociais que posição, como o professor Antônio falou, o blogueiro Fitness, ele vende melhor que a gente, se comunica melhor do que a gente, entendeu? Ele tem isso não sei como é que ele adquiriu isso ele, mas ele tem esse feeling, ele tem essa capacidade de aproximação, nós não temos, entendeu? Então essa é oportunidade, essa eu vejo, via a pandemia como uma oportunidade de me reinventar, e resignificar. Quero ver um futuro profissional de educação física educação física tendo mais empolgação com a própria educação física e não buscando outras áreas, né?





Leonardo Farah


Aproveitando, até totalmente, porque, a partir do ano que vem o Currículo da Educação Física, ele aí mudar, né?



Professor Saulo Soares

Olha aí...


Leonardo Farah


Então algumas questões mais voltadas à gestão, empreendedorismo, elas já vão se fazer mais presentes, né? Mas de qualquer maneira, ainda você chega para um estudante de Educação Física, e vai falar de empreendedorismo e ele fala, “não, mas isso aí não tem nada a ver com o curso que eu vou escolher! ”. Professor, está fazendo um sinal ali, mas eu fiz propositalmente, por quê? Porque um agradecimento aí da Ângela, ela quer agradecer o Professor Fausto pelo livro, com certeza vai ser uma leitura rica em conhecimento. Então diga lá para, lá na mão do Antônio, o Fausto agora ele, ele vai reinar nesse ambiente. Diga lá, professor


Prof. Doutor Fausto Soares


Eu vi aí, Ângela, o seu esforço, a sua dedicação. Todos nós que estamos aqui, os quatro, nós temos algo em comum. Nós temos a paixão pela nossa profissão, né? E, uma coisa que me levou a escrever este livro, foi porque, era muito triste, colegas que tinham essa mesma paixão, abandonando a profissão pela questão remuneratória, virando motorista de Uber, de garçom, corretor de imóveis, né isso? E, aí, por uma questão financeira abandonando, então assim, né? Durante toda a minha carreira, eu tenho um pouco mais de tempo que vocês, o Saulo é 2002/2003 a minha é 91, né? Na época da televisão preto e branca, mas a educação física ela tem um canal muito bom. Mas voltando agora para o nosso tema, e discutindo aqui, e espero que sim, Ângela, espero que o livro some, acrescente, realmente na espera achar fisiologia, não espera achar nada disso que lá você vai falar sobre mercado né, sobre negócios e sobe Empreendimentos, mas assim espero que isso vem aí enriquecer sua atuação profissional, tá? Voltando que vocês estão discutindo aí depois a gente tentar avançar. A pandemia veio para expor as grandes fragilidades do mercado Fitnnes. Olha só isso, vamos começar a ver números. Primeiro momento, Estados Unidos, número um em mercado de academias, primeiro lugar em número de praticantes, primeiro lugar em faturamento. Brasil: segundo em número de academias, estabelecimentos, quarto em número de praticantes, décimo, ou décimo segundo em número de faturamento. Então, nós já tínhamos um problema de liquidez, e mais, o mercado Fitness vem caindo em faturamento. Existe uma informalidade que é difícil saber disso com precisão, mas nós chegamos a faturar 2,5 bilhões de dólares, mas estava faturando de 2,1 a 2 bilhões de dólares. Convertendo isso para real, vamos colocar num câmbio aí, algo próximo a 10 bilhões de reais. Vocês acham que isso é dinheiro? Tá? Eu vou mostrar para vocês a fragilidade e a redução do nosso mercado. O mercado de PET no Brasil, 27 milhões de reais; o mercado de casamento, que é uma vez só, tem uns que casam uma vez só, eu, por exemplo, já casei várias vezes, né? Mas, assim, é um evento no mercado que, antes da pandemia, que está parado agora, faturava 17 bilhões, e sem falar no mercado farmacológico, que é acima de 80 bilhões. Então, assim gente, vamos em Português rasgado, o mercado do jeito que ele estava sendo apresentado e consumido, é troco de padaria, o pessoal não conseguia ter uma proposta de valor clara no serviço que estava sendo entregue. Em uma última instância hoje, no modelo que está sendo praticado nas academias, o que seria isso? É, você tá alugando espaço, o professor é o Plus, ele está ali como salva-vidas. Se você cair com uma anilha no pescoço, tem um professor que vai lá e vai te ajudar. Olha isso, gente, pra nós entendermos o tamanho do problema! Como o mercado tá mal posicionado, se aumentar um número na academia, a área de vendas ganha participação nos lucros, ganha comissões pelas vendas, e o professor de educação física, que está lá dentro da sala de musculação ganha mais trabalho! Olha... olha só essa realidade, né? Então, assim, do que nós colocamos aqui hoje, a questão se devemos ou não, é... eu tenho observado, tenho me relacionado com uma série de pessoas, que entraram na pandemia, que pararam de trabalhar nas academias, certo? Só que, durante a pandemia, aumentaram o número de alunos. Olha que coisa impressionante isso! E aí, uma pergunta que tem que ficar no ar: “eu preciso ter uma academia para exercer a minha profissão? ”. Entendeu? Será que a academia não é um meio para um fim? Então, esse é um ponto que coloca toda uma reflexão, o ponto um. Um segundo ponto, olha só, gente, é isso que vocês colocaram com bastante propriedade, A educação Física sempre falou para a Educação Física. Nós temos o que eu chamo de ‘forma fitness’, e as pessoas são empurradas, se elas tiverem as características psicológicas para aquilo, ela vai entrar e vai ficar. Mas, historicamente os nossos clientes, os nossos alunos, estão o tempo todo entrando e saindo das academias, tem algum problema na questão da aderência àquele espaço. E, com essa crise, esses problemas ficaram evidenciados, e é um momento de uma grande reflexão. Olha só, a máxima do empreendedorismo é “resolva o problema do cliente”, tá certo? Olha só, voltaram as academias, abriram as academias, era gerente e uma academia, mas quando as pessoas voltaram, voltaram para voltar ou para cancelarem os planos? Para cancelar os planos, não foi? Isso! Porque não havia nenhum tipo de proposta de valor. Olha só, é bom, realmente precisa que as academias abram, mas será que eu, o Saulo ali, que depois a gente vai passar a palavra para ele, boa parte da clientela dele são fatores de risco. Será que não seria muito mais seguro fazer um exercício em casa ou em um ambiente aberto, externo à academia? E, mesmo as academias tem que entender essa realidade. Não é o que eu quero, é o que o cliente quer, e aí nós levamos pela questão do consumo hoje, entendendo a mente do consumidor, nós temos que levar o seguinte, gente: as pessoas estão com a pressão, estão com medo e está vindo uma crise econômica ou financeira aí pela frente, e aí nós queremos que as pessoas corram, todas ao mesmo tempo, para dentro das academias com um problema, que as academias em linha geral, conforme a região, não pode atender mais que 30%, não é isso? Então não tem condições se quer de você colocar todo o seu público ali dento daquela realidade. Não é isso? Então, a pandemia traz, mostra essas fragilidades, que já existiam, tá certo? E expõe, eu acho que chegou a vez do profissional. Até os grandes grupos estão entendendo isso. Um exemplo pra vocês, do que nós estamos discutindo, a GIMPÉS hoje, ela abriu toda uma linha de produtos para captação de profissionais, né? Porque, em tese, o número de academias que fecharam vai fazer falta no número de, de... atendimento delas. Daí os clubes de corridas, o pessoal do Crossfit, o pessoal do funcional, uma série de outras oportunidades, estão aí batendo na porta, mas é como vocês colocaram, o nosso profissional não está pronto, ele não tem a segurança, dele, por si próprio buscar o cliente, ele tem que ter alguém para entregar o cliente para ele, seja uma academia, seja uma plataforma online, né? Eu acho que chegou a vez do profissional, e aí eu queria, entendendo, saindo da caixa, que o Saulo me respondesse lá, porque eu acompanhei o trabalho dele muito bonito, ele trabalhou, você falou aí, Antônio, ele tinha um trabalho com um pessoal com Parkinson, um pessoal com depressão, muito interessante, e aí a prescrição do Saulo lá na Malhart, nas horas vagas, ele mandava o pessoal dançar forró, sabe? Então era assim, a sala de musculação e aí depois a pessoa ia para o forró. Você vê aí um nicho, de tudo isso que eu falei nestes problemas, você vê num nicho, vê numa atuação mais holística, Saulo, o caminho para a gente não precisar das academias, o que você me fala disso?



Professor Saulo Soares

Tá bom! Eu vou trazer, o eu marquei aqui, no papel os pontos, Nossa, pontos bem contundentes, né, então primeiro ponto que eu posso falar eu preciso de uma academia né, para trabalhar. Então, olha só o profissional é aqui que nós estávamos discutindo profissional dentro das Universidades ele ficar tudo está com a baixa auto estima, lá embaixo né, então ele vai para onde o que é que ele aprende dele aí ele ouve a mitocôndria fisiologia do coração a hipertensão, então, mas ele não sabe se vender e não tem essa confiança necessária né. E aí ele vai para academia ele ele, ou seja, é aquele modelo que você exatamente falou, ele não tem a concepção de empreendedorismo, não foi trabalhado nele os 4 anos né que tá durante esqueci ele foi até o doutorado, não foi trabalhado isso nele então é necessário que uma outra instituição outra representante capte clientes para esse professional. E aí sim ele vai se submeter, por exemplo, a condições talvez, e muitas realidades precárias né, de você exerceu o seu serviço e comprou, o seu Antônio falou, né, a dor principal do Professional de educação Física é de que só se quer pagar as contas, né? Quem vai pagar as contas né? Mas porque ele ele não cria as ferramentas ele mesmo não, não tenta de uma maneira mais o efeito autodidata, ele não tem essas ferramentas dão um profissional perneta mesmo, perneta, eu falo porque eu me coloco nisso mesmo, nisso aí também o cara não vai e estanca. De fato, sim, mas todos começamos aqui se o profissional ele tem essa ferramenta né, de saber se vender, de saber o cada um nicho né, ele vai não vai precisar de academia, ele não vai precisar de uma academia, ele vai precisar só do cliente mesmo dele porque, afinal de contas é nesse contexto, tendo essas ferramentas que ele vai saber aplicar de maneira mais é, digamos assim, coerente possível né o que ele viu de teoria na faculdade. E repare bem, é muito mesmo assim é, simples, contudo não é fácil você resolveu o problema de ato da física, por exemplo, de um parksoniano. O parksoniano precisa ter um Express? O parksoniano precisa ter uma esteira de última geração? O parkinsoniano precisa de halteres? Bom, então, tem essas ferramentas assim, o que eu falo nisso que toda essa estrutura operacional ele é perneta, porque ele entende que ele só pode trabalhar com essa estrutura, ele veio dentro da sala de academia e, no entanto, cara, a gente sabe que é muito mais difícil você treinar o indivíduo treinado, avançado, o que eu indivíduo que precisa de uma prescrição mais especial. Um parkinsoniano com fragilidade alta né, ali no grau 4, grau 5, o parkinsoniano com fragilidade ou agachamento para ele que vai bastar, o sofá, é uma cadeira da sala de jantar. Ah, entendeu ele levantar uma coisa do chão já vai ser o levantamento terra para ele, uma mochila pegar um sapato no chão, as duas coisas podem ser mais simples do que elas realmente se apresentam quando sim o profissional enxerga as possibilidades do mercado. Foi aquela frase que o professor Leonardo falou lá dentro, lá no início, né, se ele resolver né gente vai pegar sucesso quando ele resolver primeiramente, né o enxerga primeiramente o problema, e levar a solução, vou primeira, mas que é que a gente, profissional de educação física somos ensinados a fazer: leva o parkinsoniano para academia, entendeu? Então esse é o primeiro ponto. O segundo ponto, que o professor Fausto falou com muita propriedade, é a dicotomia dentro da cabeça do profissional: fitness versus exercício terapêutico, exercício biopsicossocial, Fitness ou biopsicossocial? Porque o que eu falo do Fitness o que eu Fitness desde os meados da década de 70, 80, 90 influencia a sala de musculação. E eu já cansei de ver vou chamar até de aberrações por isso que sonho de treino e fisiculturista para o cara que é hipertenso, um cara que é diabético, por um cara que só quer melhorar a qualidade de vida diária, daí o treino físico-turístico, 5/7 desses para peitoral, por exemplo, e não tem isso aí o profissional da Educação Física, ele precisa né, quebrar essa marra digamos assim, do fitness, e e eu fiz as voltado para que, eu tô fazendo Fitness voltado claro, pra estética, aquela busca desenfreada do ‘só emagrecimento’, ‘perder gordura’, ‘bumbum na nuca’, essas coisas assim. Ah, tá o público final, vai ter público para todo mundo, claro, lógico, mas grande parte fica de fora, bom né, grande parte fica de fora, então o profissional precisa, ele, ele, precisa como falou bem vocês apresentaram e passou o Aurélio né, na aquela oportunidade, né, ele fala com grande público, e até idosos né, o Professor Aurélio, e faz um sucesso, então o pessoal da educação física que sai da universidade, ele precisa se desvincular do Fitness acho que urgente, eu acho que urgente, ele precisa sair da faculdade Bacharel, vou falar Bacharel, mestrado da faculdade, ele coloca, ele coloca, o, a estética na frente da Saúde, ele bem colocando isso então tá tá na hora de fazer o contrário colocar saúde né na frente da da estética. E um terceiro ponto, bom né que ficou muito evidente nas academias, com muito evidente e aqui em Brasília em especial, por exemplo, houve, eu não sei se vocês ficaram sabendo, mas aqui em Brasília houve uma grande mobilização dos empresários donos de academia, né, para fazer como se fossem consideradas como atividade essencial. Então todo discurso do empresariado, todo discurso foi votado o que: “olha nós estamos empresários, nós representamos os profissionais de educação física”, né, e, com isso academia, ela é atividade essencial, é atividade essencial, tem que ser aberta. Mas é esse discurso ele tem várias fragilidades, e as fragilidades principal é que o profissional de educação física ele não se movimentou, o que o professor de Educação Física, ele não tem essa habilidade de se movimentar, esse senso crítico, quem falou por nós, profissionais da Educação Física, foram os empresários donos de academia. Ah, entendeu por quê? Porque a pandemia começou a acertar o bolso da galera. É, mas ele ficou discussão academia essencial ou é o exercício físico? Você coloca essa discussão em pauta, você dá à luz sobre o profissional da educação física, e não sob estrutura infraestrutura, a academia. Quem dera se houvesse uma mobilização dos conselhos regionais, do CONFEF, sobre isso, é né, com gestão pública, que levasse políticas públicas, né. Na minha opinião parques deveriam ser abertos muito antes que que academias, que o exercício atividade física é que você sai sismed, se é remédio né, deixa o cara longe da ansiedade estresse depressão e todo discurso foi voltado para academia. O profissional da educação física vendo isso, achou que ‘tem que abrir mesmo’. O cara sem querer, o cara tá dando tiro no próprio pé. Tá dando dois tiro no próprio pé, porque ele vai voltar para lá, e no antigo normal, ou seja, ele já não aceita o novo normal, e o segundo tiro é porque ele tá matando as possibilidades de mercado dele e lá então eu enxerguei essa grande essa grande discussão. Eu tenho um colega também é que são... são os donos de estúdio de academias que os caras fizeram, aproveitar essa oportunidade para aumentar a perna da empresa deles do online. Ah, entendeu? Os caras criaram produtos da academia para o online, depois não teve jeito que isso eu posso citar aqui vários colegas, tanto é que eles seguraram, segurar mesmo, mas não abriram, ‘eu gasto bem menos, menos gasto de água de luz de insumos e tal’, e eu tô com um produto online quando for botar o presencial, eu voltarei muito mais forte. Então essa é a visão alguns empreendedores se deram uma visão realmente estupenda, os caras criaram a cada mesmo todos os caras criaram produtos para o online, e esses aí serão sucesso absurdo, no pós pandemia, nessa sucesso absoluto. O profissional de Educação Física deve voltar? O personal trainer deve voltar? Vou passa a bola para vocês um pouco...


Leonardo Farah:


Dentro, dentro de tudo isso que você falou já tem alguns anos que até tendências do mercado Fitness né, que quando sai do Colégio Americano, acho que é meados de outubro, se eu não me engano que sai, você já fala de atividade em grupo, atividade ao ar livre, Parque, o atendimento ao idoso, já vem falando e, mesmo assim a gente não olha o foco para isso sempre fala e a pessoal falar ‘pô, mas eu tô cansado de três de 12’, cara, três de 12 dependendo de como você faz se prescreve o treino para o ano inteiro, é só mudar o ambiente, é só mudar velocidade, é só mudar a carga você tem tanta variável que você pode mexer e você não tá aplicando isso, tem ouvindo que eu tenho cliente tá falando. Ah, só para contextualizar né aquela situação ah... sempre fala assim; o que que você quer com educação física? e o quê que você quer oferecer pela educação física? E o principal é; qual que é o teu negócio? As pessoas não sabem o negócio que elas têm na mão. Elas falam ‘meu negócio seu personal trainer’, beleza!

Ok, isso é o teu meio de atuação, mas o que, como personal trainer você vai promover? E aí você vai começar a discutir qual que é o teu negócio. Então ‘ah, eu atuo como personal trainer com foco no idoso porque eu quero melhorar o estilo de vida dessa população’. Ok esse é teu um negócio, agora você se posicionar como sendo o Personal Trainer as pessoas vão olhar o que, ‘tá tudo igual’, então aqui para quê que eu vou contratar um cara que tem doutorado? Por que eu vou contratar um cara que acabou de sair da graduação? É a mesma coisa! A gente não consegue se diferenciar nisso. E aí fica o que você for para pagar ‘Então prefiro pagar mais é porque a mesma coisa eu não consigo enxergar a diferença’. Ah, só aproveitando aqui porque o pessoal tá comentando, Marilza Ferreira de que deveria ter prestado mais atenção dos vendedores de enciclopédias quando era criança. O Luciano não tá com hoje conosco, mas o Luciano você falou que os donos de academia, o Luciano em Curitiba, ele é o nosso canal da educação física que tomou a frente tem apanhado levado quebrada direto, tá dando aula nos parques também, então tá se reinventando, né, então sempre boas reflexões de um abraço e Luciano, tá fazendo falta hoje. A Ângela, fez outro comentário naquela além de ela está se graduando em educação física, ela técnica de enfermagem há quase 20 anos, mas fala que tem semelhança na área, que as duas são áreas da saúde. A gente sempre brinca aqui né, usando o exemplo da Ângela, porque ela já tá no ambiente hospitalar, e tem um atendimento com médico, essa proximidade ela vai sair com a clientela muito fiel e, talvez não seja nem os pacientes de hospitais, mas quem sabe eu a própria equipe médica. Tem mais outros comentários, mais ainda não estão disponíveis para publicar, na hora que aparecer no sistema aqui, daí eu publico. Tem da Maria Germano, e Ângela também tem outra nos comentários. Enfim, Fausto, e aí, e academia? Tem um bar em Curitiba que se chama Academia da Cachaça, eu tenho uma ideia e com isso acredito que o pessoal tá fabricando, a aí?


Prof. Doutor Fausto Soares


É sim é vamos, vamos lá colocar esse ponto né, assim o problema, enfim, nossa profissão levanta um santo grau da ciência, a toda e qualquer discussão, é isso. Então o primeiro ponto, eu não sou eu não sou mais, o mais qualificado aqui cientificamente para falar sobre a questão do exercício físico, mas assim nós temos que ver nessa pandemia tem um detalhe técnica tem que levar em consideração. Qual é? O exercício físico e atividade física é bom para o sistema imunológico? Aí eu vou falar para vocês veja bem. Olha só depende da intensidade porque o exercício feito em alta intensidade é imunodepressivo. Vocês entenderam? Então assim será que o nosso profissional não vai estar, vai chegar o aluno vou arrancar o couro dele para poder trazer os melhores resultados um mais rápido e nesse momento ele não abre não abre janela imunológica para abrir o Covid? Você entendeu? A questão preparação técnica é um ponto né, e voltando aquela conversa nossa lá do início, mas aqui um pouquinho, eu acho que seria interessante é realmente, é uma cara, eu fui estudar sobre mercado, sobre gestão, a partir de uma deficiência que eu vi na minha graduação, nós tivemos oportunidades, mas não temos o conhecimento o que nós vamos discutindo aqui é como atuar, quem tiver o como atuar é possível. As faculdades vendem peças de reposição para o mercado, só que esse mercado hoje ele já talvez não exista mais nos moldes antes pandemia, né, então se você não ficar de quais nessa realidade de tudo novo, mas é bom vamos lá uma palavra que eu tô gostando de utilizar ‘future-se’, tá, vamos salvar as academias? Vamos! Eu estou salvando as academias. Nós temos que montar o contexto não acontece aqui tá com o principal problema nas academias? Elas têm departamentos de vendas passivas, o pessoal fica sentado esperando alguém aparecer na porta da academia para fazer a matrícula. E se essa pessoa não apareceu na porta a academia? Você não vai ter matricula? Isso mesmo, né? E aí reunido desespero vou começar uma procurar aplicativos que vão fazer essa personalização da venda aqui é o pior dos mundos, porque o cliente não é seu, é do aplicativo cartão de crédito tá com ele, não tá com você. Pessoal pagou um preço muito alto durante essa crise. Então seguinte, tá no primeiro ponto é te ter equipes mais ativas, representa agora tá, os personagens, voltam ou não voltam? Aí eu vou colocar o dedo na ferida bem grande e aí é para começar a cobrar taxa de personal? Né? Então assim é como, nós ficamos fechados tanto tempo, eu acho que vale a pena dobrar o valor da taxa de personal, que eu pagava 25 por cento agora você vai pagar 50 por cento de taxa de personal, afinal a academia é minha, o cliente é meu, espaço é meu, você vai estar aqui dentro do espaço, acho que você tem que pagar, ‘não, vamos levantar essa taxa’, pagar 75 por cento do que você ganha para mim, que inclusive, eu sou dono você é meu escravo’. Não é isso gente! Nesse momento que nós estamos agora, abre uma janela de negociação, como tá um problema de captação de clientes, se o Personal trouxer à luz de fora da academia, eu acho que vale a pena ele conversar com o pessoal, e pedir inclusive a isenção. Vocês entenderam? Porque, olha só, assim, não fosse o personal captando fora, você quebra na academia teria ele já tem um lucro da matrícula e mensalidade, que vai ter ali dentro daquele espaço. Então se chega o momento de todo uma nova análise sobre todas as relações comerciais anterior; ponto 1. Ponto 2: só porque nós academia estão com problema? A parte mais importante dela não valoriza, eles tentam trabalhar com Estagiários, eu brinco muito na contabilidade de uma empresa, é o professor começa com ‘c’, mas não é colaborador não, é de custo, você entendeu? E a outra aumentar a questão da liquidez, que que eles vão fazer eles vão baixar o valor da hora-aula, vocês entenderam? No momento que ele baixa o valor da hora-aula, aí ele vai tentar cair na mão de e sabe, o que saiu que poderia salvar as academias nesse contexto? Seria o professor vendedor! Quem é que conhece o cliente? A menina da recepção ou é o professor? Sabe que o cara é vascaíno, sabe as preferências, sabe o que o cara gosta. Entendeu? Se você converte o técnico para o técnico vendedor, ou alguém com uma maior percepção nessa questão da Inteligência Emocional, é o cara vai para academia que ele gosta do professor ele vai lá para bater papo ele vai para o ambiente e ali nisso cria-se uma comunidade, que é outro case também que eu sempre repito, que eu conheci tipo assim tirar tudo em pó dos boxes, porque o pessoal tinha uma comunidade em volta, então desde agora sim, eles vão querer defender velho modelo, né vão tentar defender o status quo, vão aumentar as mensalidades, vão aumentar os testes de personal, e vão aumentar as comissões para as meninas da venda na recepção, e aí doce ilusão! Essa questão do consumidor da mente do consumidor e, isso vai demorar mais ou menos um ano. Mas não é mais a nossa geração vai ficar marcado com a questão do Covid para sempre que, talvez escape disso só as crianças menores hoje, nem qualquer daqui 10 anos vamos estar orando numa mesa de bar falando nada que você tava durante o Covid? O que aconteceu, com você com Covid, então isso é uma questão muito, muito, muito própria né, e assim fechando essa conversa eu acho que enquanto nós não tivermos a mudança no currículo recomendação do tem que ter o seguinte faça um curso de fisiologia do exercício e pós-graduação e faça um de Marketing, faça um de treinamento de força e faça um de vendas então assim sempre nisso é eu vou eu vou dizer o seguinte sessenta por cento e sessenta por cento é o conhecimento técnico mas quarenta por cento não é mais o conhecimento técnico é a prova viva disso tem o melhor personal é o melhor fisiologista é o cara que tem melhor relacionamento humano dentro da academia? Então nesse é evidente né ou eu acredito o seguinte se veio e digo mais uma você quer ver como é que as academias poderiam fazer mudando o foco da atuação estão acreditando que só pode conversa com ela estiver dentro da academia mas por que não flexibilizar, você tem o espaço na academia, você tem as aulas online e, você tem os eventos em ambiente aberto como um parque com a questão junta todo mundo vamos fazer um piquenique da academia é gravada uma caminhada uma aula coletiva, ou isso ou aquilo assistam estão abertas a fazer esse tipo de iniciativa é esse é o momento então assim não é meio mais forte não é mais inteligente que sobreviveu, mas, é o mais flexível né, diz Darvin, né? Então com isso eu passo a palavra aí, que que você acha Saulo?


Professor Saulo Soares


Eu acho que, perfeito, eu acho perfeitamente, eu inclusive eu falaria eu falo para as pessoas não é para os colegas de profissão que essa é sua oportunidade, de reparar bem como Fausto falou é o personal trainer e é um empreendedor. E se ele não assume essa característica de quem é empreendedor, ele está fadado a não se levar a sério, se levar a sério então o pessoal treinar ele é o empreendedor e diante disso, né, ele tem que saber ler como posso ler muito bem o mercado as nuances do mercado né, que é que o mercado está pedindo agora as pessoas estão com medo de entrar e voltar academia as pessoas estão com medo e aquela questão do exercício baixar a imunidade, também levanta o conceito técnico entendeu? Eu falaria para pessoa nesse contexto de pandemia, nesse contexto, para fazer treinos leves usando máscara. Olha o que incorre o sujeito hipertenso voltando para uma academia sobre o risco de pegar Covid 19, e treinando de máscara, baixa oferta de oxigênio, a pressão do cara vai lá em cima, o cara fica esperando o próprio CO2 espirado na Máscara. Ah, entendeu. Então olha talvez o sinal que nós estamos dando um potencial cliente é porque não sugere para o cara é nesse contexto de penedo dar uma volta no quarteirão dele fazer algo primeiro em cima em casa pensar na segurança na segurança enxergar as oportunidades entendeu? É então quem for quem vai voltar para academia eu vejo assim então tem três personagens treinos e tem um personal trainer e é cético e desconfiado, eu fiz as palavras aí do meu orientador meu coac, Pedro, tem uma peça no treino aqui é cético desconfiado é o cara que quer e quer não tá acreditando nesse novo normal e no potencial então o que que ele vai fazer ele vai deixar onda levar ele vai voltar para academia ele ainda não vai se posicionar profissionalmente no contexto digital vai continuar existindo abdômen sarado né ele vai vender aí não sei nem sei nem se é um já vendeu o bíceps vai vender o ‘foco força e fé’, uma foto contextualizar sim aí o cliente olha para ir aí entendeu? Então vai ter se sentimos esse cara aqui no nosso acreditando que o mundo deu uma nova guinada. Então vai desse cara que ele vai estar meio assim ele vai estar lá com a perna na academia e também vai estar sem saber o que fazer no contexto online, mas desse cara vai ter o pessoal trainer. O pessoal tem vai ter vai ter empolgado o cara que empolgado cara que acreditam próprio trabalho o cara que tá não vamos lá fica aprender novos conteúdos o que quer dominar neurociências da venda terminar um pouco de mar esse empolgado ele não vai voltar para ele. Talvez ele volte no outro contexto e olhe lá quando ele quiser quando for mais negócio para ele ah, e tem o Personal Trainer frustrado que vai voltar exatamente a mesma condição que ele tava antes daquela correria louca trabalhando por 6 horas a aula bom, né, trabalhando de 5 horas da manhã às dez da noite né, vai ter esse cara que é um frustrado. Então didaticamente sequer é o que eu vejo que muitos colegas eu vejo esse cenário para muitos colegas entendeu. Então pessoal daí tem que ver se quem é ele? Né? São como é que ele tá agindo E se ele vai ser que achávamos uma dessas características né não tô fazendo julgamento de valor tá todo mundo sabe o que é aperta o bolo né mas eu vejo assim eu vi essa crise como uma oportunidade uma oportunidade de ressignificar profissionalmente o bico oportunidades, assim como empreendedores que a gente admira Aí toma milho os caras Thiago Nunes, caras investidores aí, os caras esses caras na área de investimento de ações e top eles venham oportunidade, nós profissionais de Educação Física temos que ver as oportunidades na nossa área. Mas tem que saber ver as mesmas ou médio a nossa área da Educação Física senão ele fica o frustrado né na linguagem aí dos caras de investimento vai voltar a investir em poupança, e tal ele, me faz baixo, não sei o que não, não, tá afim de aprender novos conteúdos né os olhos como for não ‘quero botar como confortável’ vou fazer julgamento de valor. Mas vai ter espaço lá vai ter um cara que empolgado que vai buscar novos conhecimentos novas áreas é o cara que sai da zona de conforto muita facilidade e aquele outro cara que não sabe o que vai fazer que é o sétimo não acreditando que o mundo mudou né, que vai ter uma perna ali, e nova exposição aproximadamente nas redes sociais


Leonardo Farah

Ah, perfeito! Nossa! Resumiu agora não que a gente pensa exatamente e, digo mais ainda, o professor Fausto falou né, faz uma especialização em fisiologia faz e marketing, ela além de isso disso enxergue como oportunidade até de conseguir cliente, porque você sendo a educação física atuando com o Personal Trainer, você vai aumentar essa possibilidade de adquirir cliente, porque não né. Eu lembro quando eu fiz o NBA tinha um Professor pela gestão de negociação ele falava assim que isso em 2011 ele falava assim você tem que ter na tua carteira pelo menos 20 cartões de visita, mas de 20 profissões distinta, porque você nunca sabe quando que vai precisar de um advogado você nunca sabe quando vai precisar do engenheiro. Então você tem que ter essa proximidade a e a gente não tem isso a gente concorre chegar na faculdade tem obrigado pela escola de direito, a gente quer ofender médico a gente quer mostrar que a gente é boa porque a gente aprendeu que, a década de 80, a década de 90, é, eu fazia a educação física para ter direito a cela especial se fosse preso, eu você estudar educação física ia ser policial, não era isso? Então a gente traz essa bagagem cultural então ele tem que mudar um pouco isso poxa pessoal a gente tá com 1h13. Deixa só publicar aqui também professora Maria Germana tá parabenizando excelentes abordagens coordenadora da Unip em Brasília, a Ângela também como e eu posso poderia profissional educação física vai se deparar com muitos clientes um sequelas de Covid, isso olha, que solução que a gente vai trazer para esse público né então o empreendedorismo que foi falado muito bem e, também o Paulo Antônio, Parabéns Doutor Saulo e os demais professores pelo debate né? De Aracaju, Sergipe.


Professor Saulo Soares

Mas aí ó pessoal fala ah [Risadas]



Leonardo Farah


Para encerrar né, vou fazer três perguntas está então a primeira é a seguinte, o professor Doutor Saulo: o que você aprendeu com essa pandemia? O que que você faria diferente na em sua carreira? E qual que seria a sua dica de ouro para quem está começando hoje a atuação como o personal trainer?


Professor Saulo Soares


Olha o que eu aprendi é que é necessário se re-significar com essa palavra que me vem à cabeça e significar a sua atuação profissional, foi o que a pandemia desnudou na minha cara, se e significa o sol se reinvente com isso não foi isso. A segunda questão... você puder repetir, favor? A questão foi ...


Leonardo Farah

Sobre o que você faria diferente na sua carreira?



Professor Saulo Soares

Ah, basicamente vou te falar eu tenho muito orgulho do percurso do caminho até aqui, esse momento, mas eu também tenho ciência de que esse percurso ele não tem fim um processo né, eu basicamente não mudaria nada, porque o modo como eu penso as coisas foi devido a esse processo esse percurso todos os caminhos que eu vi foi necessário que que eu tivesse o vestido bem bastante no acadêmico talvez criar um senso crítico a leitura fina o que tá acontecendo ao redor. E se tivesse parado em um contexto de graduação e não tivesse conseguido todo modo não senso crítico eu com certeza não estaria aqui falando com vocês deixa ele, não teria trânsito e discutirmos isso eu acho que não mudaria não mudaria em minha trajetória nada eu sei que tudo o que eu tenho que aprender ainda, estou engatinhando ainda tudo que eu tenho que aprender, é porque eu tenho que aprender de modo outro não é então aceitação, aceitação! Ah e por fim o que eu falaria para pessoa né não tem medo, e não tenha medo não tenha medo de fracassar principalmente não tenha medo do fracasso, fracasso faz parte do aprendizado e faz parte do crescimento acho que não tenha medo mas temos medo de fracassar, nós temos medo de falar em público nós temos medo de dar nossa opinião técnica diante de um jornal diante do apresentador. Não tenha medo! Falaria para o sujeito cara não tem quiser mudar de profissão você precisa não ter medo, você tem que encarar isso quiser mudar de profissão, né, então não tenha medo da sua mente das mudanças né, então não tenha medo de mudar



Leonardo Farah

Maravilha! Professor Antônio obrigado!



Professor Antônio


Muito obrigado por hoje à noite foi uma noite de extremo aprendizado com esses dois feras aqui, é sensacional! Sério! Fiquei de queixo caído né tiro meu chapéu né e Brincadeiras à parte mas vocês não merecem calmas né merece o Tocantins inteiro o ato passional pessoal por muito obrigado mesmo e Farah, muito obrigado pelo convite está do lado desses dois feras aqui obrigado!



Professor Dr. Saulo Soares

Obrigado, Professor Fausto!






Professor Fausto


Primeiro a nossa nesse localizada com time acho que a unidade maior é isso que o solo colocou com bastante propriedade uma sempre está aprendendo o tempo todo e os técnicos que apontam agora a grande característica do futuro é aprender a desaprender o que se sabe para aprender novos conhecimentos, novas habilidades e novas possibilidades, né, esse é o profissional do futuro, que a gente vê, assim basicamente antes de você avançar tem uma questão muito forte nessa sala a gente nos quatro é o propósito, nós temos um propósito muito grande. Acho que todos aqui que estão presentes somos apaixonados pela nossa profissão, eu vi eu posso falar porque eu fui avaliador físico da Malhart durante 17 anos o que o Saulo faz é milagre, ele não quis falar que a gente ficou tímido, mas eu não lembro de parecer uma senhora depressiva, que terminou com eles os resultados tantos estéticos mas ele mexeu tanto no corpo como na cabeça e sabia que a mulher era depressiva, depois ela para fazer aula de forró Ah, entendeu mudança se mexendo como que um profissional fica tão física pode impactar na vida daquela pessoa que está na sua frente mas nós temos que parar com quatro de 15 três e dez, e quando nos colocamos à frente de uma pessoa nós temos que entender como é que nós podemos transformar a vida dela como como todo né. É isso aí obrigado é hoje uma oportunidade só um prazer falar com você está presente aí! Leonardo, obrigado! Antônio... Né... vamos ver se nós voltarmos educação física agora educação física entregadora.


Professor Dr. Saulo Soares


Exato! Eu agradeço, mas é o convite viu? Beleza, Antônio...


Leonardo Farah

Só aproveitando o gancho a gente tem que parar de discutir e também a que o melhor é diploma galera de impedância a gente fica nossas discussões que não levam a nada e só assustam os clientes, é até verdade, é o podem pode concluir Professor.





Professor Dr. Saulo Soares

Eu agradeço demais o convite essa oportunidade né, para mim é uma felicidade falar da educação física, é felicidade demais falar um pouco fazer essas projeções não é outra apaixonado pelo professor Leonardo, Professor Antonio, é o Fausto é essa todos que apareceram aí demais mesmo eu sou entusiasta da educação não tem se aposentar tão ser só por Miguel parte objetiva já foi embora, se eu esqueci de tudo que até eu sou não pretendo me aposentar comigo não tem no meu dicionário aposentadoria pretendo ser levar isso adiante tá, e nós somos eu nos transformamos vidas através da atividade física e do exercício. Essa é a capacidade seu poder né cara entender que tem isso eu tô descobrindo. Obrigado pela oportunidade demais!



Leonardo Farah

Só para aparecer agora aqui, não tinha aparecido aqui: Anderson ‘debate e prospectivo’, Piauí Teresina a Marisa Ferreira presente debate Brasília. Aí ó O legal é que assim a gente tá descentralizando também né a gente fala muito durante o estou mentindo você é bom né futebol só falar eixo rio-são Paulo, São Paulo a gente também trazer centralizando desses centros também


Professor Dr. Saulo Soares


Legal!



Leonardo Farah

Isso é legal é uma novidade, eu ia começar agora como a gente está com agenda né, de desses nossos bate-papos, então para semana que vem aí ficou meio escura primeira vez que eu tô está fazendo este anúncio, então próxima semana, já tá com a professora Manuela Mari, com o tema: personal trainer a atuação nas redes sociais, um fator importante em sua carreira, então fique ligado sair semana que vem estaremos batendo papo com ela. Beleza pessoal! Agradecer, apertei errado aqui agradecer a todos uma ótima semana um bom descanso para todos e até semana que vem! Tchau

Professor Dr. Saulo Soares

Valeu tchau!


Professor Antônio

Tchau!


Professor Fausto

Tchau!



1 visualização0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page